A Imperatriz, um arquétipo feminino

“Sua força está no amor, a única capaz de vencer os fortes, subjugar os sábios e dominar os ricos” – Adriana Katrup

Dentre os arcanos maiores do Tarô existe uma bela figura feminina, a Imperatriz. Ela representa a mulher em seu aspecto mãe em sua capacidade de gerar a vida, nutri-la e faze-la crescer. Ela preenche o universo, cria seus filhos, os filhos dos outros, animais, flores e obras de arte. É a energia da vida se derramando na Existência e se multiplicando.

Este arquétipo representa um dos papeis da mulher em nossa sociedade, em contato com essa essência nos tornamos mais criativas, intuitivas, alegres e a nossa autoestima se eleva por estarmos em conexão com a nossa verdade interior.

Frente ao modelo de vida contemporâneo aonde nós, as mulheres, exercemos múltiplas funções para sustentar a existência de nossas famílias (maridos, filhas, mães, amigas) vamos nos afastando da expressão harmoniosa desta essência e nos esvaímos de tanto doar.

Para resgatar a harmonia deste aspecto feminino, precisamos aprender a nos nutrir, nos colocar em primeiro lugar. A reconexão com a terra, a prática de danças, yoga, artes plásticas fazem com que a mulher que carrega este arquétipo como sua missão de vida, resgate a capacidade de se nutrir através do auto amor, para então amar aos outros. Afinal, não conseguimos doar aquilo que não temos, não é mesmo¿

Quando se sentir plena, derrame seu amor pelo mundo. Cuide, crie, apoie, pois somente um coração pleno pode transbordar. Se você doar aquilo que não possui, pode se sentir fraca, carente e desnutrida.

Vamos nos reconectar com a nossa essência e despertar o que ela nos proporciona de melhor, a mulher é a criadora e a mantenedora da vida e temos como ideal a grande mãe, a grandiosa Pachamama que nos sustenta e nos acolhe.

a imperatriz